Artigos e Notícias - Dr. Marcelo Werneck

(31) 3568 5068 / (31) 99720 1872

O que é Microbioma?

O Microbioma desempenha funções tão importantes para nós, que para alguns já é considerado um órgão acessório em nosso corpo! Mas o que é o Microbioma? 
Imagine o hipercentro da cidade na segunda-feira na hora do almoço. Agora imagine isso em um nível microscópico, o Microbioma é mais ou menos isso, constituído por trilhões de micróbios (ou microbiota) que vivem no nosso corpo. Estes incluem não apenas bactérias, mas fungos, parasitas e vírus. Em uma pessoa saudável, com o organismo em equilíbrio, todos nós coexistimos de forma pacífica, afinal somos a “casa” deles. Pensando assim, o nosso intestino grosso seria o lugar predileto da casa, onde há a maior concentração de micróbios, mas não único. 
Cada pessoa possui uma rede inteiramente exclusiva de micróbios que é determinada pelo seu DNA. Ainda no parto somos expostos a alguns microrganismos, depois através do leite materno e sucessivamente durante a vida através do ambiente e da dieta. Isso vai moldando nosso Microbioma podendo ser benéfico para a saúde ou até para aumentar o risco de doença.
Em um corpo saudável, como eu disse, os micróbios vivem em paz entre si e conosco e a microbiota patogênica (ruim) e simbiótica (boa) coexistem sem problemas. Mas se há um desequilíbrio - provocado por doenças infecciosas, insuficiência nutricional ou o uso prolongado de antibióticos ou outras drogas que matam bactérias - a disbiose (desequilíbrio) ocorre. Como resultado, o corpo pode se tornar mais suscetível às doenças físicas e mentais, incluindo obesidade, ansiedade, depressão e até alguns cânceres.
Como o Microbioma beneficia o corpo? 
O Microbioma estimula o sistema imunológico, quebra toxinas e sintetiza aminoácidos e vitaminas, incluindo as vitaminas B e K. A vitamina B12 por exemplo só é formada na presença de enzimas presentes em bactérias. Alimentos como açúcar refinado e lactose (açúcar presente no leite) normalmente são rapidamente metabolizados absorvidos na parte superior do intestino delgado, mas carboidratos mais complexos, como amidos e fibras, não são tão facilmente digeridos e podem viajar mais, até o intestino grosso. 
Lá, a microbiota ajuda a quebrar esses compostos com suas enzimas digestivas. A fermentação de fibras de difícil digestão pode produzir substâncias utilizadas pelo organismo como fonte de nutrientes, mas também desempenham um papel importante na função muscular e na prevenção de doenças como câncer, retocolite ulcerativa, doença de Crohn e diarreia associada a antibióticos. 
Se o Microbioma é tão vital para a nossa saúde, como podemos garantir que tenhamos o suficiente ou o tipo certo? 
É aí que entram os probióticos. Probióticos são pílulas que contêm bactérias ativas vivas ou alimentos que naturalmente contêm micróbios “do bem” visando promover a saúde digestiva. 
Dr. Allan Walker, Professor de Nutrição na Harvard Medical School, acredita que: "Os probióticos podem ser mais eficazes nos extremos de idade, que é quando seu Microbioma não é tão robusto como normalmente são nos jovens e adultos(...) e seria possível influenciar este processo de colonização bacteriana de forma mais eficaz com probióticos durante esses períodos". Ele também observa que em situações de estresse orgânico os probióticos usão úteis, reduzindo a gravidade da diarreia ou repondo bactérias no intestino após o uso de antibióticos. Mas quando pensar em usar probióticos para outras situações além dessas, não deixe de conversar com um médico atualizado.
Fonte: The nutrition source, Harvard School of Public Medicine

 

Comentarios

Nenhum comentário.

Comente aqui