Artigos e Notícias - Dr. Marcelo Werneck

(31) 3568 5068 / (31) 99720 1872

HPV e verrugas anais

O HPV (Vírus do Papiloma Humano) é um vírus, que causa uma das mais freqüentes doenças sexualmente transmissíveis (DST), entretanto não é necessária a penetração para a transmissão, uma vez que ela ocorre pelo contato pele-pele ou mucosa-mucosa.

Existem mais 120 subtipos do vírus, que têm uma atração pela pele e mucosas. A frequência tem aumentado nos últimos anos e está relacionado ao aumento do número de parceiros. Quarenta subtipos podem infectar a região anogenital. Eles são divididos em vírus de alto risco e baixo risco de acordo com a forma como se combina com o núcleo das células. 90% das verrugas perianais são causadas por vírus de baixo grau.

 Os tipos mais comuns do vírus que causam verrugas são os tipos 6 e 11 e os tipos com maior risco de tumor são os tipos 16 e 18. Isso é importante saber, pois que os tipos que mais causam verrugas, não são os mesmos que mais causam câncer.

A vacinação é direcionada aos subtipos mais comuns em causar verrugas e aos vírus de alto grau atingindo taxa de proteção de até 90% para verrugas anais.

A transmissão é por contato sexual, com indivíduos infectados (com ou sem lesões visíveis), e a infecção assintomática é comum, o que pode levar a atraso no diagnóstico e a transmissão para outras pessoas. O tempo entre a infecção e o surgimento de verrugas, está entre 3 e 8 semanas, mas podem ocorrer intervalos mais longos até a manifestação de sintomas. 

Sintomas são: Lesões planas ou elevadas, úmidas e que podem ser solitárias ou múltiplas. Desconforto e coceira são os principais sintomas. Além de presença de nodulação (caroço) na região do ânus ou em torno, sangramento, presença de secreção, dor e dificuldade de higiene.

Para o diagnóstico, em geral somente o exame físico na consulta médica é suficiente. As lesões vão até o canal anal, não passando para o reto na maioria dos casos.

Objetivo do tratamento: Remover ou destruir todas as lesões visíveis, o que não garante a erradicação da infecção, logo, podem ocorrer recidivas. 

Para a escolha do tratamento alguns fatores são importantes como a localização das lesões, números de lesões, a capacidade do paciente de aplicar cremes e loções na região acometida, preferência do paciente e do médico, custo e estado de saúde do paciente. 

Cremes e loções podem diminuir a multiplicação das células afetadas ou alterar a resposta do paciente ao vírus. Esses tratamentos são feito pelo próprio paciente e podem durar até 16 semanas e apresentam taxa de erradicação de até 60%. 

Caso não sejam erradicadas todas as verrugas ou seja optado por não usar esse tratamentos, será necessário a destruição das lesões . Isso pode ser feito pela aplicação de ácido nas lesões ou por meio térmico (frio ou calor). A taxa de sucesso com o ácido é de até 80%, mas não deve ser usado dentro do canal anal. E a cauterização tem taxa de sucesso de 94%, mas necessita de aplicação de anestesia para o tratamento. 

Pode haver lesões subclinicas que ainda não são visíveis e elas podem manifestar-se após o tratamento causando as recidivas. Dessa forma é necessário o controle com o médico por alguns meses e pode ser necessário novas sessões do tratamento. 

Vale lembrar que  diagnostico qualquer DST, é uma oportunidade para diagnosticarmos outras que podem estar presentes. Não é raro diagnosticar casos de HIV, sífilis, gonorréia entre outras em pessoas portadoras de HPV.

Na dúvida é melhor consultar.  

Comentarios

Nenhum comentário.

Comente aqui